Paranóias

You will find everything here!

Posts Tagged ‘rtp-1

The Voice Portugal – 2018

with one comment

Olá a todos!

Terminou no Domingo a edição 2018 do programa dedicado à Música: The Voice Portugal

the-voice-portugal-2018-finalistas

Acabou esta edição, que foi a pior edição do programa (pelo menos das edições que acompanhei nos últimos anos)! E digo pior edição não pelos concorrentes que passaram, mas pelas situações que se passaram no programa… e que culminaram com a final de Domingo, escandalosamente política, com um resultado previsível dado aquilo que se viu durante o programa todo! Ora, passo a explicar:

  • A ida da jovem Marvi (de Timor-Leste) para a equipa da Marisa Liz e toda a “menina especial” mencionada pelos mentores do programa, dado ter vindo de Timor-Leste;
  • A ida de Xanana Gusmão (antigo presidente de Timor-Leste) ao programa da RTP-1, levou muita gente a criticar e a julgar uma passagem da jovem à próxima fase por questões políticas;
  • Marisa Liz (artista que admiro muito), escolher a Diana para ir à final e depois verificar-se o ponto abaixo;
  • A alteração de regras, de 2017 para 2018, que permitia a ida à final de 5 finalistas (com 4 mentores apenas), permitiu à jovem Marvi, de Timor, a ida à “repescagem” e, por conseguinte, a ida à final;
  • Os outros mentores raramente falaram na qualidade técnica da Marvi, referindo apenas o facto de ser uma “menina especial”, de um país que passou por muitas dificuldades e que tinha muito valor por estar ali, longe da família… e, Marisa Liz, falava sempre do facto de ela ser especial e fazia da jovem uma deusa. Ela nem sequer sabia falar português em condições! Se aparecesse algum concorrente que não soubesse falar/pronunciar bem o Inglês (por exemplo), certamente seria excluído por esta razão… A Marvi não, pronunciava mal algumas palavras, penso até que se esqueceu de uma parte de uma canção… mas nunca foi criticada por isso. Aliás, desculparam-na sempre pelo facto de ser… de Timor-Leste;
  • Marisa Liz tanto elogiou e comparou a Diana Castro à sua imagem pelo sofrimento de seguir o seu sonho com família de dois rebentos pequenos, mas depois, aparece esta tal regra que mencionei acima…;
  • Sondagens que, se já há algum tempo duvidava que existissem, nesta edição acho que confirmei a minha ideia: não acredito que o voto do público conte para alguma coisa;
  • A Aurea, que tanto admiro como artista, foi também uma mentora que, infelizmente, desde o início, me surpreendeu pela negativa, pois demonstrou várias vezes ter preferências claras por alguns concorrentes… pondo de parte alguns com potencial superior… mas prefiro não me alongar neste sentido. Ainda assim, acho que a concorrente que chegou à final (Soraia Cardoso) foi uma justa finalista, dados os elogios da Aurea em termos do sentimento da concorrente ao cantar fado… muitas das vezes elogiada/considerada a melhor concorrente a cantar fado em todas as edições do The Voice. Mas por vários momentos, ficava na dúvida se ela ia dar prioridade máxima à concorrente;
  • Mickael Carreira e o Anselmo Ralph, este ano, surpreenderam-me ao serem mais imparciais ao escolherem, de facto, quais os melhores artistas para a ida à final!! Carreira, com o Gonçalo Lopes, com uma presença enorme em palco e uma belíssima voz… e, Ralph, com a Vânia Dilac, que vive aqui na minha ilha, São Miguel… e merecia, de longe, um resultado melhor do que aquele de ontem… um 4º lugar.

 

Com tudo isto, não quero dizer que estou contra a participação da Marvi… acho que todos têm direito, tal como o Leo (emigrante em França), ou Anna Ermakova (russa, a viver em Portugal)… não é isto que está em questão.

Estou sim, insatisfeito pela forma como as coisas decorreram durante o programa todo. A forma como a Marvi foi levada até à final, com poucos elogios e mais referências às dificuldades no país da jovem.

Vânia Dilac: tremendamente elogiada ao longo do programa todo e conhecendo o talento desta mulher, por já a ter visto em grandes espectáculos aqui em São Miguel… levando mesmo a pensar que os resultados do “público” não existiram neste programa!

Diana Castro: também com uma qualidade enorme, mas também foi surpreendida por este resultado, quando esteve sempre na frente das “sondagens”.

Para mim, esta final devia ter sido decidida justamente entre as duas mulheres acima mencionadas… E com a Soraia Cardoso ali à luta no 3º lugar.

Vejam abaixo os 5 finalistas e digam-me a vossa opinião…

5 finalistas

Outros lugares onde se menciona a polémica do programa de 2018:

Vitória contestada pelos espectadores

Alguém deve ter pago

 

The Voice Portugal: Nunca mais!

Anúncios

Rua, a minha casa

with one comment

Acabei de ver o programa “Linha da Frente“, na RTP-1. O tema de hoje foi “Rua, a minha casa”.

 

No ano Europeu de Luta contra a pobreza e a exclusão social, uma equipa da RTP (Rosário Salgueiro e António Antunes) viveu uma semana como sem-abrigo.

Durante sete dias, os profissionais da RTP, jornalista e repórter de imagem, dormiram na rua, em cartões, em hortas, fizeram a higiene básica nas casas de banho de cafés e centros comerciais, tomaram banho nos balneários públicos e comeram as refeições das carrinhas e dos centros de abrigo.

Ao longo desta experiência cruzam-se com homens e mulheres sem-abrigo.

Nesta incursão pelo mundo dos excluídos ficamos a saber quem são estes homens e estas mulheres para quem a rua é a única casa.

Em “RUA, A MINHA CASA”,ficamos a saber como se pode sobreviver na rua, as dificuldades, as rotinas e as hierarquias.

Em Linha da Frente:”RUA, A MINHA CASA”, um trabalho de Rosário Salgueiro, imagem de António Antunes e edição de Vanessa Brizido.

 

 

Adorei a reportagem… Fez-me pensar nas conversas que costumamos ter do género “quero isto!”, “não gosto daquilo!”, “este quarto é uma merda!”… e muitas outras queixas que nós temos, mas sem nunca pensar no que temos e os sem-abrigo não têm!

 

Arrisco mesmo em dizer que, esta reportagem (assim como muitas outras da RTP) será premiada daqui uns meses. O tempo o dirá.

Written by Nuno França - Photography

1 de Dezembro de 2010 at 22:11

Malato + Jogo Duplo = Excelente Prémio

leave a comment »

Written by Nuno França - Photography

18 de Outubro de 2009 at 14:55

RTP – Salvador (um programa com qualidade)

with 2 comments

Sim… a RTP apareceu com mais um GRANDE programa!

Quais são os nossos limites? Quanto vale um sonho? O que é ser diferente?

SALVADOR é um programa sobre desafios, experiências e emoções.
Um programa inédito que desafia um convidado com deficiência a superar os seus limites através de uma aventura radical.

Conduzido por Salvador Mendes de Almeida, cada episódio, com cerca de 20 minutos, vai dar a conhecer histórias exemplares de pessoas para quem o dia-a-dia se faz a vencer obstáculos mas, também, a celebrar a vida.

SALVADOR é o programa sobre coragem, optimismo e integração que vai marcar a diferença.


Um programa de coragem, pois é… mas também de coragem para quem o vir. Um programa para lágrimas, sem exageros!

Hoje foi a estreia, não vi tudo… e emocionei-me…

Parabéns RTP!

PS:

E Parabéns, Salvador! 😀

Podem visitar aqui o site da Associação Salvador.

Written by Nuno França - Photography

12 de Outubro de 2009 at 20:34

Zeinal Bava na RTP-1

leave a comment »

Acabei de ver a entrevista especial da Judite de Sousa ao Eng.º Zeinal Bava, da Portugal Telecom, acerca do possível negócio com a Prisa e TVI.

Pois bem… a resposta mais saliente, foi mais ou menos assim:

“Eu faço um negócio e depois o anúncio. Nunca faço a divulgação daquilo que vou fazer.”

Muito esperto… virado mesmo para o negócio. Conseguiu sempre dar a volta à jornalista da RTP, coisa que não é muito fácil, dado o calibre da jornalista. 😀

Written by Nuno França - Photography

25 de Junho de 2009 at 21:17

“Conta-me como foi…” – RTP

with one comment

Mais… a RTP e as suas p….

Não há palavras.

1.º A Voz do Cidadão:

Programa do mais estúpido que pode haver.

Aqueles que costumam ver a RTP que o digam: criticam, mandam e-mails a pedir justificações, etc, etc.

E as respostas dos responsáveis?!

Procede-se a estas interrupções para que haja diversidade na programação.” – director de programas da RTP

Para haver diversidade?! Será mesmo?! Não será por tentativa de imitar os canais da concorrência? Acho que é mais esta última hipótese. 😕

Ou, talvez, os responsáveis da RTP estejam mesmo com uma nova doença: febre dançarina.

Não sou director de programas, pelo que, não posso responder a grande parte dos pedidos/críticas que nos fazem.” – baboso do apresentador d’ “A Voz do Cidadão

Não sei o que este senhor faz neste programa. Para já, tem idade para estar na reforma. Depois… não diz qualquer frase com sentido lógico. E, para além disso, repete dezenas de vezes as críticas dos espectadores, mas NÃO FAZEM NADA.

2.º Repetições do Conta-me como foi…:

Pois é… vão voltar à palhaçadas. Repetir o Conta-me como foi… e depois (lá para Setembro ou Outubro), vão então voltar às exibições “regulares”. Será?! Não sei..

3.º Prison Break de regresso:

Mais um regresso. Vamos esperar para ver se vai ser contínua esta parte final da série.

4.º Pai à Força:

Hm… segundo ouvi nesta treta de programa, o Pai à Força vai ser também transmitido por temporadas e com pausas. Ok… eu acho até alguma piada à série, mas…… detesto os actores (os miúdos principais), péssimos… e, tal como uma espectadora da RTP, “Vou pensar duas vezes se vou acompanhar a série.”.

Enfim…

E pensar que a RTP era aquele canal que gostava bastante de ver… 😕

Agora? Agora está a enfiar-se cada vez mas num buraco…

Written by Nuno França - Photography

6 de Junho de 2009 at 21:22

Morreu Luís Cabral, o primeiro Presidente da Guiné-Bissau

with 2 comments

Luís Cabral faleceu, ontem em Lisboa, devido a doença prolongada. Foi um dos fundadores do Partido Africano da Independência da Guiné-Bissau e Cabo Verde (PAIGC) e um dos colaboradores mais próximos do meio-irmão, Amílcar Cabral, que promoveu a independência dos dois países.

Luís Cabral assumiu a presidência da Guiné-Bissau em 24 de Setembro de 1973, na sequência do assassínio do irmão. O seu percurso político começou com a formação do PAIGC em 1956 e a fundação da União Geral dos Trabalhadores da Guiné (UNGT) em 1961, a principal central sindical do país. É eleito membro do secretariado permanente do Comité Executivo da Luta em 1971 e deputado à ANP pelo círculo de Bissau no mesmo ano. Ocupa o cargo de secretário-geral do PAIGC.

Um dos seus objectivos era a unidade da Guiné-Bissau e Cabo Verde, mas este projecto nunca foi desenvolvido e definitivamente afastado quando, em 1980, Luís Cabral foi deposto num golpe de Estado liderado por Nino Vieira, assassinado em Março.

As relações de amizade e admiração que o uniam ao secretário-geral do PAIGC e presidente de Cabo Verde Aristides Pereira “esfriaram” após a deposição e Luís Cabral procurou exílio em Cuba. Luís Cabral queria regressar a Cabo Verde com a família, um propósito que contava com a oposição de Aristides Pereira.

O Presidente da República Ramalho Eanes ofereceu-lhe exílio no início de 1984. Voltou à Guiné-Bissau em 1999, para uma visita, a convite do primeiro-ministro Francisco Fadul.

Fiquei a conhecer este Grande senhor através da série do jornalista Joaquim Furtado – A Guerra – que passou na RTP-1.

Foram 18 episódios, não perdi um único que fosse. Porque trata-se de história, porque é um trabalho digno de ser apreciado.

Fosse a História ensinada assim… e certamente que teria tido mais gosto por esta disciplina.

Este senhor foi daquelas pessoas que mais gostei de ouvir falar n’ A Guerra.

RIP

PS:

Parabéns à RTP e a Joaquim Furtado pela história que fizeram passar na televisão. 😀

Luís Cabral assumiu a presidência da Guiné-Bissau em 24 de Setembro de 1973, na sequência do assassínio do irmão. O seu percurso político começou com a formação do PAIGC em 1956 e a fundação da União Geral dos Trabalhadores da Guiné (UNGT) em 1961, a principal central sindical do país. É eleito membro do secretariado permanente do Comité Executivo da Luta em 1971 e deputado à ANP pelo círculo de Bissau no mesmo ano. Ocupa o cargo de secretário-geral do PAIGC.

Um dos seus objectivos era a unidade da Guiné-Bissau e Cabo Verde, mas este projecto nunca foi desenvolvido e definitivamente afastado quando, em 1980, Luís Cabral foi deposto num golpe de Estado liderado por Nino Vieira, assassinado em Março.

As relações de amizade e admiração que o uniam ao secretário-geral do PAIGC e presidente de Cabo Verde Aristides Pereira “esfriaram” após a deposição e Luís Cabral procurou exílio em Cuba. Luís Cabral queria regressar a Cabo Verde com a família, um propósito que contava com a oposição de Aristides Pereira.

O Presidente da República Ramalho Eanes ofereceu-lhe exílio no início de 1984. Voltou à Guiné-Bissau em 1999, para uma visita, a convite do primeiro-ministro Francisco Fadul.

Written by Nuno França - Photography

31 de Maio de 2009 at 21:20